Por que a maioria dos programas de mindfulness duram 8 semanas?

Formato de treinamento em atenção plena vêm sendo replicado desde 1979. Descubra as razões.

Provavelmente você já ouviu falar do popular Programa de 8 Semanas de Mindfulness, mas talvez não saiba porque normalmente ele têm 8 semanas.

 
8-semanas-de-mindfulness

Neste post você vai ler:

De onde veio esse formato?

Porque ele é o mais popular?

Existem alternativas?

 

A origem das 8 semanas de mindfulness.

Desde 1979 a Escola Médica da Universidade de Massachusetts desenvolve, implementa e pesquisa o programa que hoje é popularmente conhecido como Mindfulness Based Stress Reduction (MBSR).

O idealizador do programa é o Doutor em Biologia Molecular, PhD, Jon Kabat-Zinn. Kabat-Zinn é professor emérito da Universidade de Massachusetts, fundador da Clínica de Redução de Estresse e do Center for Mindfulness(CFM) in Medicine, Health Care, and Society.

Concebido na forma de um curso de 10 sessões, com duração de 8 semanas, composto de 31 horas de instrução direta, o MBSR abrange uma confluência de epistemologias e práticas de duas linhagens muito distintas e até recentemente divergentes, ambas comprometidas com a investigação empírica, embora utilizando metodologias muito diferentes: de um lado a da ciência, medicina e psicologia, e por outro lado, a tradição meditativa budista, seus ensinamentos e práticas, conhecidos coletivamente como o Dharma.

Quais os benefícios de 8 semanas de mindfulness?

Para desenvolver a atenção plena não é suficiente ler um livro ou apenas participar de uma oficina de 4 horas.

É um processo de uma vida inteira!

Obter os benefícios da prática de mindfulness implica em regularidade e, como qualquer mudança de hábitos, leva algum tempo para a rotina tornar-se natural.

Por isso dedicar 2 meses para começar essa mudança com a orientação de um instrutor devidamente formado é, no mínimo, razoável para obter algum resultado e superar os desafios comuns ao início de qualquer aprendizado.

Desde que o programa MBSR começou, mais de 22.000 pessoas o completaram e mais de 6.000 médicos e outros profissionais de saúde encaminharam seus pacientes para este programa porque eles entendem o valor da atenção plena à saúde e bem-estar de seus pacientes.

Os participantes do Programa de Redução de Estresse do CFM relatam uma redução de 38% nos sintomas médicos, uma redução de 43% no sofrimento psicológico e emocional e uma redução de 26% no estresse percebido.

Replicando o modelo baseado em evidências.

Por conta dos resultados do MBSR não é difícil entender porque a maioria dos demais programa de mindfulness que foram surgindo, são derivados deste modelo bem sucedido em 8 semanas.

Hoje em dia existem centenas de programas baseados em mindfulness pelo mundo e a grande maioria segue o mesmo formato, não apenas na área da saúde mas também em demais contextos como o educacional, organizacional e esportivo.

Outro motivo dos programas seguirem com esse formato são os pré-requisitos para a formação de instrutores de mindfulness.

A grande maioria dos centros de formação capacita os instrutores à “entregar“ o programa no formato de 8 semanas, e também por isso, exigem que os candidatos tenham vivenciado o processo de ensino-aprendizagem no papel de alunos neste mesmo formato.

Alternativas ao modelo consagrado.

Se olharmos para o contexto onde o programa de 8 semanas foi concebido, podemos ir além do formato original, mas é preciso clareza dos objetivos de aprendizagem para manter a qualidade dos programas de forma que os benefícios sejam alcançados pelo participante.

A Western Washington University realizou um estudo com um grupo que participou de um treinamento de 2 horas e meia com um instrutor de mindfulness e se manteve praticando diariamente com áudios guiados de 30 minutos ao longo de 6 dias consecutivos. Os pesquisadores concluíram que os participantes aumentaram a habilidade de estar consciente dos próprios pensamentos, sem julgamentos e no momento presente, assim como apresentaram maior flexibilidade em situações de estresse, em relação ao grupo que não praticou.

Estudos como esse demonstram que é possível desenvolver mindfulness e obter benefícios realizando programas mais curtos, desde que as práticas sejam realizadas com regularidade e de forma consistente, orientadas por um instrutor capacitado. 

Conclusão

A maioria das intervenções baseadas em mindfulness replicam o modelo de 8 semanas que nasceu na Clínica de Redução do Estresse, da Escola Médica de Massachusetts por três principais motivos:

  1. Modelo validado baseado em evidências científicas;

  2. Oito semanas é um tempo razoável para aprender uma nova habilidade e mudar hábitos;

  3. Padronização de estrutura para a formação de novos instrutores e manutenção de diretrizes de boas práticas.

A medida que mindfulness vai ganhando espaço em contextos diversos, será cada vez mais comum encontrarmos programas em formatos diferentes: semi-intensivos, com 4 ou 6 semanas, presenciais ou conduzidos online.

Independente do formato, a qualidade do instrutor - baseada em prática pessoal, formação adequada e retiros - e a regularidade de prática do aluno são imprescindíveis para obter melhores resultados.

Especialmente no Brasil, tudo é muito recente. Temos centros e profissionais sérios mas ainda estamos “engatinhando” no processo de qualificação de instrutores, concepção, implementação e pesquisa de programas de mindfulness.

Por isso, em nossa opinião, podemos aprender com o que já funciona em outros países e também testar novos formatos e modelos de acordo com cada contexto e cultura, sem abrir mão das diretrizes de boas práticas para instrutores e da validação dos benefícios através da experiência direta dos praticantes.

Vida longa aos programas de mindfulness!

Referências:

https://www.umassmed.edu/cfm/mindfulness-in-medicine/intro-to-mindfulness/

https://www.mindful.org/just-one-week-of-mindfulness-meditation-can-help-ease-stress/